Pensamentos Aleatórios

Repleta de conflitos tanto externos como internos, ergo os olhos, enxergo o futuro que está esperando por mim, e não me deixo abalar pelos tropeços que encontrarei pelo caminho. Fazem parte do processo de evoluir. Evoluir como ser humano, que pensa, fala, discute, erra, mas que principalmente, não tem medo, porque sabe que nunca estará sozinha.

quarta-feira, 21 de agosto de 2013

Que será, que será?!

É estranho falar com você e agora não mais sentir a dor, a pena, o arrependimento, a culpa, o rancor.

Sentir apenas um carinho. E um carinho de querer bem, de querer cuidar. Mas você nunca precisou de ninguém, muito menos de mim. Você é forte. Ao contrário de tudo o que sou.
Por isso que sempre você me foi um espelho.

Mas ver sua foto e não mais recolher meus cacos pelo chão é algo que jamais pensei que me aconteceria.

Será que estou me re-apaixonando? Ele é incrível, e aceita meus defeitos, como ninguém. Ele conhece meu passado, meu presente, e teme o meu futuro. Mas não foi covarde e decidiu lutar pelo que achava certo.

Será?


"Deus, fazei-me um instrumento de vossa paz." Faça-se em mim segundo a Vossa Palavra.
Toma. meu destino, meu corpo e espírito é Teu. Entrego em Tuas Mãos.










Não sentir as lágrimas escorrer enquanto você escreve ou fala: que sentimento libertador!

sexta-feira, 16 de agosto de 2013

Cinzas

Hoje senti um perfume. Era igual ao teu. Misturado com teu cheiro, o cheiro que eu dizia que você tinha, que eu sentia quando te abraçava, ou quando deitava nos teus braços.

Hoje ouvi uma música. A que eu cantava para você, quando estava deitada na sua cama do teu lado, enquanto você tocava violão e me olhava.

Hoje lembrei do gosto dos teus lábios. São insubstituíveis. Teus lábios grossos que só de estar próximos aos meus, me derretia.

Hoje eu em cada canto dessa cidade que andei, pensava que era você.




Eu acordo todos os dias sonhando que em um desses, você venha com seu fiesta azul na minha porta.





Mas tudo isso são só cinzas do resto de amor que sobrou de nós dois.




domingo, 11 de agosto de 2013

Incapacidade

Não sei fazer os outros felizes.



















Talvez seja porque eu não estou.



Nenis: pardon.

Adeus você.

Estou indo. Não porque quero. Não porque acho certo. Mas sim porque um dia me disseram que eu era uma menina que poderia realizar todos os meus sonhos; que eu era uma menina inteligente, que eu poderia conseguir tudo o que pudesse querer; que eu era uma menina cheia de ideais, e que eu tinha muita força para defendê-los.

Estou indo. Não porque sinto que preciso, até porque sinto que nunca deveria ter ido. Mas no fundo, se fosse, eu sempre soube que isso iria acontecer -  ver você partindo. E dessa vez parece que é pra sempre.


Estou indo. E indo porque me disseram que eu realizei meu sonho. Como desistir agora? Como abandonar tudo?

CADÊ A ISABELLA?

Eu também não sei.

Sempre achei e sempre me mostrei forte e independente. No fundo, em tudo na minha vida, havia um otimismo no fundo do coração, no fundo do poço em que estava, que me dizia "vai ficar tudo bem".

Não o vejo mais.

Quando você se foi, levou embora ela, a que sempre ria, que adorava fazer os outros rir, que gostava de ouvir seus próprios batimentos, seu interior, a que queria ajudar todos, mudar o mundo, a que queria casar na Igreja de Santa Terezinha, que tinha planejado todo o casamento, a que queria ter 5 filhos, a que queria ser diplomata, queria trabalhar na ONU, a que queria tudo e mais um pouco, a que queria sempre de tudo o que tinha, queria espalhar a alegria que ela tinha.

Quando você se foi, me levou também. Agora não sei mais quem sou. E nem sei se quero saber.

Dependência ou morte.

Mil pensamentos.

1 tentativa.

Sempre constante.

Aos ouvidos.

Me tirem daqui.

Me salve.

Sempre constante.

Peso. Consciência.

Me deixem em paz.

Quero respirar.

Mil pensamentos e mais um.

Abafa.

Feia. Magra. Sem qualidades.

2 tentativas.

Cadê todo mundo?

Sozinha.

Dependência.

Sexo. Por tentativas desesperadas de auto afirmação.

"Eu não preciso dele".

Dependência.

Corte.

3 tentativas.

Mil pensamentos e mais dois.

Ninguém entende.

Sempre constante.

SAI DA MINHA CABEÇA.

Vodka.

Amnésia.

Sempre constante.

Amor? Não conheço.

4 tentativas.

NÃO SIRVO NEM PRA ISSO.

"Sai comigo?"

Me beija. Me enlouquece.

Vai embora.

Amigos.

"Sai comigo?"

Sexo. Por dó, será?

Amigos.

Como qualquer uma.

Sempre constante.

Mil pensamentos e mais três.

Conhecidos.

ELE NUNCA VAI ME PERDOAR.

"A fila anda".

NÃO CONSIGO MAIS

Culpa.

"Mãe, me deixa voltar pra casa?"

Sonhos que não conseguem mais me erguer.

Psiquiatra.

Sertralina + calmante

Tente outra vez.

Amar de novo? Não, obrigada.

Terço. Sempre um antes de dormir.

Mil pensamentos e mais quatro.

Não mais tentativas.

Ainda dependência.